Posts em junho dUTC 2011

Amigo Álvaro Baccim formatou meu poema e pede que publique formatado, vamos lá:

Menino teu…

Da janela rasgada do ontem
Vi passar um sonho pequeno, quase um menino…
Menino que na lua pescava
Fisgando luzes alheias e brilhava…
Brilhava no escuro este pirilampo assanhado,
Envolto em brisa levada, verdadeiro sonho sonhado.
Tinha claves de sol na cabeça…
Ou era um sol-menino travesso?
Pura luz, só arder pra derreter e findar.
E o sonho foi indo em si-mesmo… ou mi?
A embriaguez da neblina
Levando a imagem da retina,  ao fim… ou ?
Ao nada mais, será? Ao sempre em bruma, que-!!!
Prefiro o menino da rua, moleque vadio e real,
Que zune pela platéia com cor de jasmim no colo
E cheiro de nuvem nas mãos…
Que encanta o jardim dos sonhos
Com velas de barco a deriva…
Que treme no aplauso do povo deixando dor na partida…
Embora este corpo ausente traga o perfume presente,
Feito de plumas douradas
No breu do findo-dia-meu… ou …?
.
Jane Abel/RS
01/06/2011

Menino teu…

Da janela rasgada do ontem vi passar um sonho pequeno, quase um menino… menino que na lua pescava fisgando luzes alheias e brilhava… Brilhava no escuro este pirilampo assanhado, envolto em brisa levada, verdadeiro sonho sonhado. Tinha claves de sol na cabeça… ou era um sol-menino travesso? Pura luz, só arder pra derreter e findar. E o sonho foi indo em si-mesmo… ou mi? A embriaguez da neblina levando a imagem da retina, ao fim… ou fá? Ao nada mais, será? Ao sempre em bruma, que-dó!!! Prefiro o menino da rua, moleque vadio e real, que zune pela platéia com cor de jasmim no colo e cheiro de nuvem nas mãos… que encanta o jardim dos sonhos com velas de barco a deriva… que treme no aplauso do povo deixando dor na partida… embora este corpo ausente traga o perfume presente, feito de plumas douradas no breu do findo-dia-meu… ou lá…? (Jane Abel)

Postado no Facebook

Postado no Nó & Bengala

Clicky Web Analytics